DGArtes - Agenda Online

Header Gestão Electrónica de Concursos

Acessibilidade


imprimir

"O Marinheiro", de Fernando Pessoa | Teatro Municipal de Almada

Com este "drama estático" - subtítulo que deu a "O Marinheiro" - se iniciou Pessoa, em 1913, como criador dramático, embora essa sua pretensão nunca tenha sido levada a sério.
Em 1935, ano em que morreu, repetiu, numa carta enviada a Adolfo Casais Monteiro, uma afirmação que fizera ao longo da vida: "O que eu sou essencialmente - por trás das máscaras involuntárias do poeta, do raciocinador ou do que mais haja - é dramaturgo".
Em "O Marinheiro", três mulheres velam uma outra, morta, durante uma noite.
"A intriga no teatro reside não na acção, nem na progressão e nas consequências da acção, mas sim na revelação das almas através das palavras trocadas e na criação de situações", afirmou Pessoa.
O encenador e actor francês Alain Ollivier, que dirigiu até Dezembro passado o Théâtre Gérard Philippe de Saint-Denis - Centro Dramático Nacional, foi convidado pela CTA para esta produção depois de ter apresentado em 2006 no TMA "Le Marin", pela companhia que então dirigia.
"É preciso não nos equivocarmos sobre o sentido do `drama estático`", diz Ollivier, citado no comunicado da CTA.
"Esta expressão consiste também num traço de ironia através do qual Pessoa pretende diferenciar-se radicalmente do teatro que lhe é contemporâneo e que se caracteriza por uma mera habilidade de intriga desprovida de qualquer pensamento ou inspiração", frisa o encenador.
O próprio autor explicitou: "Chamo teatro estático àquele teatro cuja trama dramática não constitua uma acção, isto é, em que as figuras não ajam apenas porque não se deslocam nem dialogam sobre os seus movimentos".
Teresa Gafeira, Maria Frade, Cecília Laranjeira e Catarina Beirão ou Maria Zamora darão corpo às quatro personagens da peça, que conta ainda com a colaboração de outros dois criadores franceses: Daniel Jeanneteau (cenografia) e Erhard Stiefel (escultor das máscaras de madeira que as actrizes usam).
"O Marinheiro" estará em cena na Sala Experimental do TMA até 18 de Maio, de quarta-feira a sábado às 21:30 e ao domingo às 16:00.
Em parceria com a Casa Fernando Pessoa, o TMA apresenta, no seguimento desta produção, uma exposição de obras inspiradas no poeta português de vários artistas plásticos portugueses, como Bartolomeu dos Santos, Costa Pinheiro, Jorge Martins e Júlio Pomar.
Na sexta-feira, será lançada, também na Casa Fernando Pessoa, pelas 18:00, uma edição de "O Marinheiro", com chancela da editora Livros de Areia, em parceria com a CTA, cuja apresentação será feita por Teresa Rita Lopes.
No dia seguinte, à mesma hora, realiza-se no Café-Concerto do Teatro Municipal de Almada um colóquio sobre "O Marinheiro", em que participam Alain Ollivier, Teresa Rita Lopes e o crítico do Diário de Notícias Miguel-Pedro Quadrio.
Em paralelo, estará em exibição na Sala de Vídeo do TMA o vídeo da versão francesa de "O Marinheiro", que Ollivier dirigiu no Théâtre Gérard Philippe de Saint-Denis.
ANC.

Local:
Teatro Municipal de Almada (TMA)

Data de início:
17 de Abril de 2008

Data do fim:
18 de Abril de 2008

Ficha técnica:



Calendário

 Abril | Maio | Junho 

D S T Q Q S S
      
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
     

Pesquisa


Login

Brevemente disponível

Newsletter

Brevemente disponível


Rodapé

© Direção-Geral das Artes, todos direitos reservados.

  • Logo Ministério da Cultura
  • Logo Instituto das Arates
  • Logo Programa Operacional da Cultura
  • Bandeira da União Europeia
  • Símbolo de conformidade nível AA das Directrizes de Acessibilidade Web
  • Símbolo de Acessibilidade à Web[D]