DGArtes - Agenda Online

Header Gestão Electrónica de Concursos

Acessibilidade


imprimir

Ifigénia na Táurida | Teatro da Cornucópia

No fim do século XVIII, momento de grandes transformações políticas e culturais na Europa, Goethe, apaixonado pela cultura grega da Antiguidade, volta a trazer para o teatro a história de Ifigénia, a filha de Agamémnon e Clitemnestra que Diana salvou da morte quando o pai a queria oferecer em sacrifício. Muitos anos viveu Ifigénia na Táurida como sacerdotisa de Diana, depois de para ali ter sido trazida pela deusa. A peça conta o dia em que seu irmão Orestes, perseguido pelas Fúrias depois de vingar a morte do pai assassinado a mãe, chega com o amigo Pílades a essa terra de bárbaros, resgata a sua irmã do poder do rei Toas e regressa à Grécia para limpar a sua geração da maldição divina. Com a sua revisão do mito antigo, Goethe questiona em versos belíssimos o conceito de humanidade, a relação dos homens com os deuses, a tensão entre a ideia de destino e a liberdade, a condição das mulheres, e a própria noção de soberania política. É a defesa da paz, de uma nova ética, do equilíbrio do sentimento com a razão, de nova harmonia nas relações humanas, e de uma renovação das consciências.

A peça, de um requintadíssimo despojamento, assenta no trabalho rigoroso de 5 actores que actuarão num cenário de Cristina Reis iluminado por Daniel Worm D'Assumpção. Beatriz Batarda regressa à Companhia para interpretar o papel titular, agora dirigida por Luis Miguel Cintra, que interpretará também o rei Toas. Orestes será Paulo Moura Lopes e Pílades Vítor de Andrade. José Manuel Mendes será Arcas, o mensageiro do rei.

Não é a primeira vez que a Cornucópia aborda o teatro alemão do Romantismo e do pré-Romantismo, pouco conhecido do público português, mas apaixonante na sua importância para a História da Cultura Ocidental. Foi aliás na sequência da encenação pela companhia da sua recriação de Don Carlos de Schiller, contemporâneo e amigo de Goethe, que Frederico Lourenço recriou a Ifigénia para o Teatro da Cornucópia. Já em Lenz, Holderlin, Grabbe, Kleist e Buchner, no debate ideológico que todos eles transformam em teatro, a Cornucópia encontrara razões para a sua encenação contemporânea.

Estreia no Teatro do Bairro Alto em Lisboa no dia 24 de Setembro e as representações de 3ª a Sábado às 21.30h e aos Domingos às 16.00h, terminam no dia 1 de Novembro.

| FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA |

Recriação poética Frederico Lourenço
Encenação Luis Miguel Cintra
Cenário e Figurinos Cristina Reis
Desenho de luz Daniel Worm D'Assumpção
Interpretação Beatriz Batarda, José Manuel Mendes, Luis Miguel Cintra, Paulo Moura Lopes e Vítor de Andrade.

| MAIS INFORMAÇÕES |


http://www.teatro-cornucopia.pt

Estrutura Financiada pelo Ministério da Cultura/Direcção-Geral das Artes

Local:
Teatro do Bairro Alto, Lisboa

Data de início:
24 de Setembro de 2009

Data do fim:
01 de Novembro de 2009

Ficha técnica:



Calendário

 Outubro | Novembro | Dezembro 

D S T Q Q S S
 
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
    

Pesquisa


Login

Brevemente disponível

Newsletter

Brevemente disponível


Rodapé

© Direção-Geral das Artes, todos direitos reservados.

  • Logo Ministério da Cultura
  • Logo Instituto das Arates
  • Logo Programa Operacional da Cultura
  • Bandeira da União Europeia
  • Símbolo de conformidade nível AA das Directrizes de Acessibilidade Web
  • Símbolo de Acessibilidade à Web[D]